Afastamento do trabalho: 7 dicas para diminuir este problema na empresa

Afastamento do trabalho: 7 dicas para diminuir este problema na empresa

Causado por uma série de fatores, o afastamento do trabalho é um problema com o qual, mais cedo ou mais tarde, praticamente toda empresa vai ter que lidar em relação aos seus funcionários.

A questão é entender se os afastamentos estão dentro de um quadro de normalidade ou se são sinais de que algo realmente não vai bem no dia a dia dos colaboradores.

Por isso, neste post abordamos os dois principais tipos de afastamento do trabalho e damos dicas de como evitá-los.

Acompanhe para saber mais.

Tipos de afastamento do trabalho

São basicamente dois tipos de afastamento do trabalho: o pontual e o ocasionado por doenças ou acidentes de trabalho.

O afastamento pontual é garantido pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Consiste em um número determinado de dias e precisa ser devidamente comprovado pelo empregado.

Podemos citar como exemplos disso situações motivadas por:

  • falecimento do cônjuge, ascendente, descendente ou irmão;
  • casamento do próprio empregado;
  • doação voluntária de sangue;
  • alistamento militar;
  • quando se fizer necessário comparecer a juízo como parte ou testemunha;
  • ausência para se alistar como eleitor;
  • licença paternidade;
  • licença maternidade..

De acordo com a CLT, também é direito do trabalhador afastar-se do trabalho em virtude de doenças ou acidentes de trabalho.

Em caso de enfermidade, cabe a ele apresentar um atestado médico comprovando sua incapacidade no período.

Quanto aos acidentes de trabalho, ele deverá ser submetido a uma perícia oficial do INSS, ficando a cargo da empresa emitir uma Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) ao INSS.

 

Causas mais frequentes de afastamento do trabalho

Dentre as causas de afastamento do trabalho, podemos citar como mais comuns:

  • transtornos mentais como depressão ou estresse;
  • problemas de coração;
  • doenças ligadas a riscos ergonômicos, como LER;
  • dores musculares;
  • alterações de sono;
  • doenças do trato digestivo, como úlceras e gastrites;
  • hipertensão arterial;
  • acidentes de trabalho.

Impactos do afastamento do trabalho

Ter um grande número de trabalhadores afastados compromete toda a equipe da empresa.

Isso, porque pode gerar uma sobrecarga de atividades aos que permanecem trabalhando, o que pode causar desestímulos, irritações e comprometimento no clima organizacional.

Sem falar nos impactos na produtividade e nos processos do dia a dia.

Além disso, a empresa é penalizada financeiramente, já que o pagamento do empregado ausente para tratamento de doenças durante os primeiros 15 dias de afastamento é de responsabilidade do empregador.

Após esse prazo, a responsabilidade passa a ser do INSS.

Os prejuízos financeiros podem estar ligados, ainda, aos gastos com contratação, divulgação de vagas e processos seletivos para substituição do funcionário afastado.

 

7 dicas para diminuir este problema na sua empresa

Para evitar os riscos citados acima, listamos 7 dicas que devem ser implementadas no seu negócio o quanto antes.

Saiba quais são elas:

1) Gestão de riscos e conscientização sobre o uso adequados de equipamentos de proteção individual (EPIs)

É necessário fazer a gestão de riscos no ambiente de trabalho, verificar ambientes, diagnosticar causas e buscar melhorias continuamente.

Um dos papéis da organização é incentivar e cobrar o uso adequado de equipamentos de proteção individuais (EPIs), promovendo orientação e capacitação para o uso correto em cada ambiente.

Neste trabalho de gestão, também é importante contar com o Programa de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA), que é executado por empresas especializadas em engenharia de segurança do trabalho.

2) Gestão da saúde

Crie um plano de ação visando entender os motivos dos afastamentos e planeje ações para reduzir a exposição aos riscos.

Outro ponto importante é fazer acompanhamento e monitoramento de dados epidemiológicos dos trabalhadores que tenham condições crônicas de saúde.

O empregador pode, inclusive, aproveitar os dados gerados pela empresa de medicina do trabalho, por meio do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO).

A oferta de planos de saúde e exames de rotina pode favorecer ações de prevenção de doenças ocupacionais, reduzindo os períodos de afastamento.

 

3) Acompanhamento psicológico

Ambiente estressante, cargas exaustivas de trabalho, situações de tensão e predisposição para as doenças podem causar depressão, fobias e ansiedades que levam ao afastamento do trabalhador.

Por isso, é fundamental ter ações voltadas à atenção aos fatores psicossociais.

A oferta de acompanhamento psicológico alinhado à necessidade dos trabalhadores pode ser usada como uma excelente forma de prevenção.

 

4) Hábitos saudáveis e equilíbrio

Um grande desafio das empresas é reter as suas equipes, seja em termos de clima organizacional, motivação, produtividade ou organização de atividades.

Trabalhe estes desafios com ações voltadas para treinamentos e palestras que auxiliem o trabalhador a buscar o equilíbrio entre seu interesse pessoal e da empresa. 

Estas ações podem estar ligadas ao investimento na qualidade de vida, ao incentivo à prática de esportes ou até mesmo aos cuidados com o corpo.

Estimule hábitos voltados para a alimentação saudável e ingestão de líquidos.

Alerte seus colaboradores sobre a importância de cuidar da própria saúde em tempo integral.

 

5) Campanha de prevenção ao consumo de álcool e drogas

Promova campanhas educativas de prevenção ao uso de álcool e drogas, que estimulem os trabalhadores a terem uma vida saudável fora do ambiente de trabalho.

O tema por, inclusive, ser abordado em ações como a SIPAT (Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho).

Essas ações são muito importantes para diminuir o risco de doenças crônicas, como problemas respiratórios e cardíacos.

 

6) Ginástica laboral

Incentive a prática de exercícios físicos, não só fora do ambiente de trabalho.

É válido também criar programas de ginástica laboral.

Estes momentos consistem em pausas nas quais o trabalho é interrompido para que o trabalhador possa fazer alongamentos e atividades físicas.

Tais atividades são importantes ações para a prevenção de problemas de saúde que levam ao afastamento do trabalho.

 

7) Ergonomia dos ambientes da empresa

O objetivo da ergonomia é buscar entender a relação do homem com as condições de trabalho.

Os riscos ergonômicos comprometem o bem-estar físico, mental e organizacional de uma empresa e provocam problemas de saúde e, consequentemente, afastamentos do trabalho.

Entre as formas mais eficientes de melhorar esse fator nos ambientes da sua empresa destacam-se:

  • observar a qualidade dos equipamentos;
  • escolher mobiliário corporativo ergonômico;
  • estabelecer rotinas de trabalho informatizado;
  • evitar trabalho exaustivo/e repetitivo;
  • impedir as atividades com uma quantidade insuficiente de trabalhadores.

 

Conclusão

Os cuidados listados neste artigo beneficiam a empresa e o trabalhador.

Por um lado, a organização reduz o número de afastamentos médicos, já que minimiza fatores de risco.

Por outro, o funcionário vivencia uma cultura de cuidados e qualidade de vida, gerando impactos positivos no rendimento de seu trabalho e na sua qualidade de vida.

Portanto, se a sua empresa não tem ainda as boas práticas para redução de afastamentos do trabalho, é hora de pensar no assunto.

Gostou das dicas? Compartilhe o artigo com pessoas que possam ter interesses no tema.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

Translate